Alvenaria simplesmente denota o tipo de material empregado na construção. Corresponde a tijolos e afins. Madeira, steel-frame e wood-frame são outros sistemas, por exemplo. Todos estes sistemas podem ser utilizados de forma estrutural ou simplesmente de vedação.

No estudo de caso apresentado, foi utilizada a estrutura de concreto armado reticulada e para vedação, alvenaria de tijolos furados de barro cozidos. Este material tem vantagens relacionadas ao baixo custo e facilidade de manuseio, porém suas desvantagens pautam um certo desperdício de material, quebra para interação com instalações elétricas e hidrossanitárias embutidas, uso significativo de argamassa, dentre outros. Ainda assim é uma opção muito viável.

O bloco de concreto, que seria uma alternativa (inclusive estrutural), necessita ser modulado para melhor aproveitamento (sem quebra), para ter um custo viável deve ser empregado de forma correta, com juntas ideais e prever as instalações elétricas e hidrossanitárias sem quebra, uma vez que estas instalações devem passar pelos vãos internos dos blocos, o que requer uma mão de obra especializada e familiarizada com este material, bem como seus elementos complementares (blocos canaleta U e J, por exemplo).

wp_20150612_009
Alvenaria do segundo pavimento.

A execução da alvenaria se dá em 3 etapas: marcação, elevação e encunhamento (quando executada depois da estrutura – o primeiro pavimento do estudo teve encunhamento, o segundo não).

A marcação é a conferência e execução do posicionamento, alinhamento, esquadro e nivelamento das paredes para execução da primeira fiada, que será a referência das demais. Mangueira de nível, nível de bolha, prumo, esquadro, linha de nylon, régua… todos esses instrumentos são utilizados neste processo.

wp_20150612_011
Fiadas de marcação e referência das paredes.

A segunda fiada em diante é elevada com referência na primeira fiada. O mais usual é a elevação amarrada, onde o tijolo da fiada superior é posicionado sobre dois tijolos, com seu centro alinhado à junta dos inferiores. A cada fiada são utilizadas linhas de referência traçadas a partir da colocação e nivelamento de tijolos nas extremidades de cada parede.

wp_20150612_010
Elevação da Alvenaria utilizando a linha de referência.

O encunhamento, nada mais é que o preenchimento das frestas que acabam sobrando entre a última fiada e a estrutura. Este preenchimento é usualmente feito com tijolos quebrados e argamassa ou espuma expansível.

No caso apresentado, o segundo pavimento não foi executado com a mesma técnica do primeiro, onde a estrutura reticulada foi executada antes da vedação. No pavimento superior, a opção foi elevar a alvenaria até o nível desejado e a utilizar como base inferior/apoio da forma da estrutura das vigas. O que dinamizou o processo neste caso.

wp_20150715_004
Posicionamento da armação da estrutura sobre as paredes, antes de executar as formas.

O próximo post irá abordar as aberturas nas vedações e alguns outros aspectos dela.

Obs: Após a finalização da laje e antes de iniciar a alvenaria do segundo pavimento, as vigas da área de lazer que ainda não haviam sido concretadas, foram preenchidas. Como mostra a imagem abaixo.

wp_20150605_001
Concretagem da viga remanescente.

Gostou do post? Agregou valor? Deixe suas consideração ou dúvidas e compartilhe com quem tem interesse pelo assunto também!

Aproveite para seguir o blog e cadastrar seu email na lista vip. Basta clicar em follow e inserir seu email!

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Advertisements