Uma das etapas mais interessantes e ao mesmo uma das mais trabalhosas da obra, sob a perspectiva de todos os cuidados que devem ser tomados e toda a atenção requerida, é a montagem e concretagem da laje. Principalmente pelo envolvimento direto com as instalações complementares da obra: é um elemento estrutural que recebe também as instalações elétricas e hidrossanitárias, além de ser conectado a outros elementos estruturais.

Este post irá tratar da montagem da laje do primeiro pavimento e da escada.

Time is money, já dizia o jargão norte americano. O aproveitamento do tempo é resultado de quão bem feito foi executado o planejamento da gestão do tempo em função das atividades a serem executadas ao fim de alcançar um resultado. Esta questão tem sido fortemente frisada nos posts sobre as etapas da obra.

A gestão de cada etapa em função do todo, influencia diretamente nas etapas seguintes e no resultado final do investimento financeiro. Um ponto crucial quanto a sequência de execução de tarefas é a ligação entre cada uma. Repare que em vários posts são mencionadas as medidas previamente adotadas para dar continuidade a um serviço, sequencialmente a outro, bem como as escolhas das técnicas que favorecem estas escolhas, otimizando o serviço, o tempo e os resultados.

Esta perspectiva não foi diferente no planejamento de execução da laje que, devido as medidas corretas, pôde ser executada logo após a finalização das vigas.

Para ficar claro, ainda na etapa de projeto, foi adotada a laje pré-moldada treliçada, com enchimento eps (isopor). Resultado da comunicação entre arquiteto e engenheiro responsáveis pelo projeto. Algo fundamental. O objetivo dado foi otimizar o tempo e possibilitar atividades sequenciais com mais independência, requerendo apenas que cada item esteja disponível quando necessário. No caso da laje, proporcionar agilidade de trabalho, reduzindo a possibilidade de ociosidade no canteiro de obras e estruturalmente eficiência e leveza, para exigir menos das estruturas inferiores.

wp_20150526_003
Posicionamento e escoramento das vigotas pré-moldadas e elemento de preenchimento.

Existem outras opções de laje, como a maciça, moldada in loco. Contudo essa opção foi descartada por causa da necessidade de formas, muitas escoras e montagem não compatível com a forma de desenvolvimento do trabalho em função do tempo e reaproveitamento de materiais já utilizados: mais madeira seria necessária para execução das formas, sem utilização integral posterior, bem como mais escoras seriam necessárias. Seria desperdiçado material e tempo de trabalho neste caso específico.

As vigotas treliçadas e as peças de isopor, foram adquiridas durante a montagem das vigas do primeiro pavimento. Então quando foram entregues, o serviço já estava praticamente no ponto certo para ser iniciado. As escoras das vigas já haviam sido parcialmente removidas, bem como algumas das formas das mesmas.

wp_20150522_002
Posicionamento dos elementos da laje pré-moldada e da ferragem negativa.

A execução da laje em si, se dá da seguinte forma: são posicionadas as vigotas e os enchimentos (isopores) entre elas, sendo que o sentido de posicionamento é previsto no projeto estrutural, assim como o tipo de ferragem, concreto a ser utilizado e dimensões da vigota treliçada. São colocadas e amarradas as ferragens adicionais e negativas, as vigotas são escoradas e em seguida são posicionadas e amarradas as tubulações das instalações elétricas e hidrossanitárias, ou quaisquer outras cabíveis (amarradas se for o caso, para que não saiam do lugar). As formas laterais (que irão conter o concreto), podem ter sido executadas antes ou podem ser executadas após o posicionamento das vigotas. Neste caso foram executadas depois. A laje, então, pode ser concretada.

Para saber mais sobre os tipos de lajes treliçadas, clique aqui

wp_20150526_006
Posicionamento das instalações complementares sobre a laje.

Juntamente com a laje, foi executada a forma da escada, bem como sua armação, para que ambas pudessem ser concretadas juntas e aproveitar o momento da concretagem, otimizando o tempo.

O desenho da escada foi elaborado com o intuito de dar leveza/suavidade à forma da mesma, já a opção estrutural e executiva, foi dada em função do custo benefício dentro do contexto das demais opções adotadas no programa deste planejamento. O tema escadas em si, é bastante amplo, interessante, inspirador e motivo para um post exclusivo.

A execução em si para o caso, se dá da seguinte forma: são executadas e escoradas as bases das formas, são posicionadas e amarradas as ferragens da escada entre si e às esperas, a forma é complementada com os degraus, contenções e travamentos para que esta não se movimente ou ceda durante a concretagem, por fim é posicionada e amarrada a ferragem restante. Lembrando sempre de nivelar e alinhar cada elemento.

wp_20150526_002
Forma e armação da escada.

Essa concretagem foi agendada para uma sexta feira, com o intuito de deixar a secagem inicial para o final de semana e não influenciar no desenvolver dos trabalhos subsequentes no canteiro de obra.

wp_20150526_007
Formas laterais para contenção do concreto.

O próximo post, etapas da obra #13, irá tratar inicialmente da concretagem da laje.


Referência externa:
http://longos.arcelormittal.com.br/pdf/produtos/construcao-civil/outros/manual-tecnico-trelicas.pdf

Gostou do conteúdo? Agregou valor? Deixe suas considerações abaixo e tire dúvidas entrando em contato na aba de comunicação.

Se você não segue o blog ainda, coloque seu email abaixo para receber conteúdo em primeira mão. Basta clicar em follow e inserir seu email!

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Advertisements